O programa Ciência sem Fronteiras e as primeiras impressões de Charlotte

Charlotte - Carolina do Norte

Escrevi esse post para contar como estar sendo o início da minha experiência de intercâmbio e ajudar a esclarecer o processo para aqueles que também tem interesse de participar.

Sobre mim

Meu nome é Francisco, e sou o primeiro aluno dos cursos de tecnologia do Centro Universitário Senac a participar do programa Ciência sem Fronteiras. Ontem fez uma semana que estou morando na Carolina do Norte para estudar na Johnson C Smith University.

Pontos positivos do programa

  • Só gastei dinheiro do meu bolso para tirar passaporte, o visto e traduzir meu histórico escolar. Todo o resto é auxílio do governo brasileiro + IIE (Institute of International Education).
  • Você não precisa ser um expert de inglês, se você for intermediario terá direito a um curso da língua gratuito.
  • ESTÁ TENDO MAIS VAGAS DO QUE INSCRITOS, TODOS QUE ESTÃO SE INSCREVENDO E CUMPRINDO CORRETAMENTE AS ETAPAS ESTÃO SENDO APROVADOS.

Overview do processo todo

  • Inscrição no site
  • Prova de inglês TOEFL ITP gratuita
  • Carta de intenções para entregar no setor de intercâmbio do Senac
  • Ir na policia federal tirar passaporte
  • Fazer o application para as faculdades estrangeiras ( parte mais chata e demorada do processo): Exige que voce escreva três redações em inglês e cartas de recomendação de dois professores seus e do seu coordenador de curso. Mandar histórico escolar traduzido. E mais o que eles exigirem.
  • Tirar o visto americano no consulado.
  • Converter o dinheiro da bolsa para dolar, comprar passagem.
  • Pegar o avião e ser feliz =)

 Mais informações

 Primeira semana em Charlotte

                A cidade em que estou é linda! No centro há alguns prédios financeiros de vidro e modernos e em todo o arredor e ao longo de toda a cidade há muito verde, árvores e muitas daquelas casas com caixa de correio na frente como as que somos acostumados a ver em filmes.

A JCSU ( Johnson C. Smith University) possui muitos estudantes internacionais, então não estou sozinho aqui. Nesse tempo já fiz amizade com alguns americanos mas também com: Jamaicanos, sul-africanos, mexicanos, equatorianos e ingleses. Está sendo muito mais do que uma experiência para a vida profissional, estou absorvendo a cultura dos outros. O que estou aprendendo fora da sala de aula é algo difícil de ser explicado para quem não está aqui vivendo o mesmo que eu, e tenho certeza que ainda há muito mais por vir.

 

 

O Senac São Paulo não se responsabiliza pelo conteúdo postado pelos alunos intercambistas
Este artigo foi publicado em Ciências Sem Fronteiras and tagged , , , , , , , , , , . Bookmark the permalink.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *


*

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>